“Eles não se importam com a nossa saúde”

Greves e protestos se espalham pelos EUA com trabalhadores exigindo proteção contra COVID-19

Por Jerry White
28 Março 2020

Publicado originalmente em 26 de março de 2020

Greves e protestos de trabalhadores exigindo proteção contra o mortal novo coronavírus ocorreram com uma frequência cada vez maior nos últimos dias. Ações nos locais de trabalho nos Estados Unidos e em outros países estão acontecendo mesmo com o governo Trump e outros governos capitalistas ao redor do mundo se apressando para retomar a produção e o fluxo dos lucros corporativos, sabendo muito bem que isso irá acelerar a propagação do novo coronavírus e aumentar o número de mortes.

“Isso é loucura”, disse Tonya, uma trabalhadora da fábrica da Fiat Chrysler de Jefferson North, em Detroit, a respeito dos comentários de Trump sobre suspender a quarentena e fazer a economia “voltar com tudo” até a Páscoa. “Não deve existir nenhuma pressa em voltar ao trabalho. Não existe cura e isso está se espalhando rapidamente e é mortal. Se voltarmos ao trabalho, estaremos com colegas que estão doentes mas não têm sintomas. Eles estariam nos enviando para a doença, se não para a morte.”

Coletores de lixo de Pittsburg se recusaram a colocar os caminhões na rua (Fonte: Facebook)

Na quarta-feira, coletores de lixo em Pittsburgh, no estado da Pensilvânia, iniciaram uma greve selvagem pelo medo de que colegas de trabalho pudessem ter contraído o vírus e por não possuírem equipamentos de proteção. Em um vídeo postado no Facebook, o coletor Fitzroy Moss disse que a prefeitura havia falsamente afirmado que os coletores de lixo foram “testados para o coronavírus” quando, na verdade, “eles não se importam com a nossa saúde”. O prefeito diz que o “lixo vai ser recolhido não importa o quê”, ele continuou, mas “só nos deram um pacote com quatro lenços umedecidos” e “nenhuma máscara, nenhuma luva, nada!”.

Os trabalhadores calaram e expulsaram um burocrata sindical do Teamsters, que tentou forçá-los a voltar ao trabalho. O sindicalista disse: “Mantenham o distanciamento social e façam aquela coisa dos 2 metros”, dizendo ainda aos coletores que a cidade não possuía instalações para testar trabalhadores.

“Estamos arriscando nossas vidas”, um coletor declarou a um repórter local, “se um de nós for infectado, todos nós seremos infectados”.

Na terça-feira, mais de dois terços dos operários do estaleiro Bath Iron Works (BIW), em Maine, recusaram-se a ir trabalhar depois de um trabalhador ter testado positivo no dia anterior. Na terça-feira passada, a General Dynamics afirmou em um comunicado que a Marinha dos EUA havia confirmado que o BIW foi considerado uma “infraestrutura crítica” por uma diretriz da Casa Branca que orientou as empresas da área de defesa a continuarem operando normalmente pelo interesse da segurança nacional.

A esposa de um trabalhador do BIW afirmou: “Não se esqueçam do que mantém as empresas em funcionamento... funcionários! Pena que eles não estão sendo valorizados como pessoas neste momento... apenas números, números de funcionários que são considerados substituíveis, porque o BIW não se preocupa com sua saúde ou bem-estar durante uma PANDEMIA NACIONAL!”.

Na segunda-feira, trabalhadores do transporte público em Birmingham, Alabama, se recusaram a tirar os ônibus da garagem devido a preocupações com a COVID-19. A Autoridade de Trânsito do Condado de Birmingham-Jefferson respondeu restringindo a lotação dos ônibus para 15 a 19 passageiros, bloqueando assentos para permitir o distanciamento social de passageiros e motoristas e pedindo aos passageiros que usassem a porta traseira ao entrar e sair dos ônibus.

O Departamento de Transportes de Detroit foi forçado a interromper as operações de ônibus na semana passada, depois de os trabalhadores terem organizado uma falta coletiva por motivo de saúde.

Também na segunda-feira, mais de 40 trabalhadores de uma fábrica de processamento de aves e suínos da Perdue em Kathleen, Geórgia, realizaram uma paralisação exigindo condições sanitárias de trabalho, adicional de insalubridade e licenças após vários trabalhadores relatarem ter sido expostos ao coronavírus na fábrica.

Essas ações acontecem depois da greve dos trabalhadores da Amazon no Queens, Nova York, de os trabalhadores dos correios do Brooklyn recusarem-se a trabalhar em uma instalação infectada, da onda de greves selvagens nas fábricas da Fiat Chrysler em Michigan e Ohio e da paralisação da fábrica de minivans da FCA em Windsor, no Canadá. As ações iniciadas em oposição aos sindicatos dos trabalhadores da indústria automotiva nos EUA e Canadá – UAW e Unifor, respectivamente –, que insistiram que os trabalhadores continuassem trabalhando, forçaram o fechamento da indústria automotiva nos EUA e no Canadá, mas não no México.

Pelo menos três trabalhadores da Fiat Chrysler morreram de COVID-19, incluindo Jeff Bagby, um engenheiro mecânico do setor de qualidade na fábrica de sistemas de transmissão de Kokomo, em Indiana, e um trabalhador ainda não identificado na fábrica de Sterling Heights, no subúrbio de Detroit. Na quarta-feira, a Fiat Chrysler confirmou que Lorenzo Seldon, um trabalhador de 50 anos de idade e representante sindical do UAW na fábrica de caminhões de Warren, também tinha morrido da doença.

As greves nos EUA são parte de uma tendência internacional, que inclui greves de mineiros de prata em Manitoba (Canadá), de mais de 1.000 trabalhadores de frigoríficos na Irlanda do Norte, de médicos e enfermeiros de hospitais públicos no Zimbábue, de operadores de call center no Brasil e de trabalhadores da Amazon e do setor automotivo na Itália, o país com o maior número de mortes por COVID-19 no mundo. Os metalúrgicos e bancários italianos marcaram uma greve para a próxima quarta-feira na Lombardia, a região mais atingida do país.

“Os trabalhadores de todos os setores e de todo o mundo têm que se unir”, disse Tonya, a operária da Fiat Chrysler (FCA) de Detroit. “Na Itália, há um bloqueio nacional, mas eles ainda estão forçando os trabalhadores a trabalhar. É horrível.

“As empresas só se preocupam com a produção e com os lucros. [O presidente do UAW, Rory] Gamble disse que estava exigindo um fechamento por duas semanas, mas eles voltaram atrás e disseram que irão reorganizar algumas coisas para aumentar a segurança. Tudo o que eles fizeram foi nos dar desengordurantes, nem mesmo desinfetantes, para que os trabalhadores limpem suas próprias áreas. O UAW não quer saber de nós. Se não tivéssemos realizado a paralisação, ainda estaríamos nas fábricas.”

Ela também se indignou com falta de máscaras, respiradores artificiais e outros equipamentos médicos para salvar vidas. “Nós devemos usar todas as fábricas para produzir o que é necessário”, disse Tonya. “Em um turno, nós produzimos 600 jipes e isso requer muito mais peças e mão de obra do que equipamentos médicos. Teríamos a capacidade de produzir dezenas de milhares de máscaras e outros equipamentos todos os dias. Temos a capacidade, só que ela não está sendo usada.

“A FCA e outras montadoras dizem que vão produzir respiradores artificiais e máscaras. Mas o presidente e as empresas só estão preocupados com o lucro. Se os trabalhadores estivessem no controle, estaríamos garantindo que a humanidade não estivesse sofrendo e que as pessoas não estivessem morrendo por falta de equipamentos que podem ser produzidos.”

Laura, uma professora da Flórida, disse: “Fico furiosa que haja pessoas que esperam que nós doemos nossas vidas por um trabalho que não nos paga o suficiente para vivermos a vida que temos. Isso é um abuso de poder terrível e, de certa forma, é simplesmente sentenciar as pessoas à morte.

“Claramente, a classe trabalhadora é substituível – isso nunca foi tão claro. Se isso fosse um vírus de computador que poderia acabar com a fortuna deles, eles se importariam. Mas esse vírus, que se espalha entre aqueles a quem não foi concedido o ‘privilégio’ de deixarem seus trabalhos e continuarem recebendo, não os preocupa.

“A classe dominante tem acesso a testes e medidas de segurança e dinheiro para sobreviver que o resto do mundo não tem. O que isso diz sobre a sociedade em que vivemos? Que este é verdadeiramente um capitalismo moribundo e que está se debatendo para manter sua relevância. A única fatalidade em decorrência desse vírus que fico feliz em ver é a da estrutura capitalista.”

“O capitalismo está mostrando sua verdadeira face”, disse Barry, um trabalhador aposentado da General Motors, da fábrica de Lansing Delta Township, em Michigan. “Isso é eutanásia socialmente aprovada, assim como o WSWS disse.

“Sabemos pelas lições da Coreia do Sul e da China que podemos achatar a curva se isolarmos e testarmos as pessoas. Precisamos ser testados todas as semanas, todos os dias, e não apenas quando você tem sintomas, e precisamos de um teste rápido para obter resultados imediatamente.

“Isso é um abate do rebanho. Eles devem estar enchendo os bolsos de dinheiro. Eu disse à minha esposa: ‘Eles iriam adorar se nós morrêssemos, nós estamos recebendo seguro social’. Eles já tentam cortar isso há anos. É só mais uma maneira de fazer isso. É impiedoso e desumano.”

Um trabalhador da fábrica de caminhões da Ford em Louisville, Kentucky, onde um trabalhador testou positivo, disse: “Eu costumava achar que o capitalismo era OK. Mas, quando existem esses extremos de riqueza e pobreza – essas divisões enormes – não dá para continuar.

“A maioria das pessoas, ou seja, os trabalhadores, querem fazer o que é certo para o bem comum. Mas tudo é gerido pelos capitalistas, as pessoas com dinheiro. Estamos nos aproximando do momento em que a guerra de classes vai entrar em erupção.”