Assista: Palestra denuncia o papel do Partido Comunista das Filipinas no apoio ao regime de Duterte

29 Agosto 2020

Publicado originalmente em 27 de agosto de 2020

Na quarta-feira, a Universidade Tecnológica de Nanyang em Cingapura apresentou a palestra do historiador Joseph Scalice explicando o papel do Partido Comunista das Filipinas no apoio ao regime brutal do homem forte filipino, Rodrigo Duterte.

A palestra, intitulada “Primeiro como tragédia, depois como farsa: Marcos, Duterte e os partidos comunistas das Filipinas”, é uma denúncia devastadora do papel traiçoeiro do Partido Comunista das Filipinas (PCF), seu fundador e “teórico” Jose Maria Sison e da perspectiva falida do stalinismo e do maoísmo em que se baseiam.

Ela demonstrou, através de um exame detalhado de material recente, a continuidade política entre o apoio do PCF ao presidente fascista filipino Rodrigo Duterte em 2016 e o endosso da ditadura de Marcos por um partido comunista anterior.

Joseph Scalice é apresentado aos 5min43s do vídeo e sua palestra inicia-se aos 8min51s

Nos dias que antecederam a palestra, Sison lançou um ataque calunioso contra Scalice, rotulando-o, sem nenhuma prova, como um agente da CIA. Em 25 de agosto, no dia anterior à palestra, o PCF dedicou uma edição especial de seu jornal, Ang Bayan, a uma entrevista com Sison intitulada “Crítica aos ataques dos trotskistas contra o PCF e a revolução filipina”, que repetiu suas mentiras contra Scalice, novamente sem qualquer fundamentação.

Na abertura de sua palestra, Scalice demoliu sistematicamente a declaração descabida de Sison de que era uma grande mentira que “o PCF foi o facilitador e apoiador de Duterte”. Scalice forneceu provas irrefutáveis através de fotos e citações de Sison, do PCF e suas organizações de frente associadas de sua estreita colaboração com o presidente fascista e sua guerra contra as drogas. Sua palestra explicou por que, a partir de um exame de sua ideologia maoísta, o PCF promoveu figuras como Duterte como representantes da “burguesia progressista”, que invariavelmente se voltam contra a classe trabalhadora e o campesinato.

A palestra contou com a presença de um amplo público de todo o mundo, incluindo acadêmicos de destaque, jornalistas e o público em geral. Havia participantes dos Estados Unidos, Europa, Austrália e de grande parte da Ásia, incluindo Cingapura, Hong Kong, Sri Lanka e um número muito significativo das Filipinas. O público participou ativamente da palestra, fazendo mais de uma centena de perguntas no fórum de discussão.

Após a palestra, a discussão pública continuou na rede social onde as pessoas enviaram comentários sobre a apresentação de Scalice. A reação foi extremamente positiva. “Eu fiquei impressionado com a palestra”, escreveu um deles. “Eu assisti, entusiasmado. Tantas revelações. Pesquisa profunda”, outro participante escreveu. A apresentação foi considerada “empolgante” e “uma conversa intensa, imensamente repleta de informações históricas”. Um participante agradeceu a Scalice por sua “apresentação corajosa e abaladora”.

A palestra de Scalice concluiu com um apelo apaixonado à verdade histórica sob condições nas quais falsificações históricas estão sendo usadas em países ao redor do mundo para fins reacionários. A palestra merece ser amplamente compartilhada e estudada como uma introdução ao papel nefasto desempenhado pelo stalinismo e sua variante chinesa, o maoísmo, ao longo do século passado. Pedimos a nossos leitores que compartilhem a palestra o mais amplamente possível através das redes sociais e outros meios.