Glenn Greenwald, ganhador do Prêmio Pulitzer, pede demissão do Intercept em protesto contra censura

Por Andre Damon
6 Novembro 2020

Publicado originalmente em 4 de novembro de 2020

Glenn Greenwald, o mais importante colaborador do denunciante Edward Snowden e renomado crítico da mídia e das agências de inteligência dos EUA, pediu demissão do Intercept, o site que fundou em 2013, em protesto contra as tentativas de abafar uma reportagem sua crítica ao Partido Democrata.

O jornalista Glenn Greenwald participa de uma coletiva de imprensa antes de um ato em seu apoio em julho do ano passado (Crédito: AP Photo/Ricardo Borges)

Segundo Greenwald, um jornalista premiado com o Pulitzer, o Intercept “em violação ao meu direito contratual de liberdade editorial, censurou um artigo que escrevi esta semana, recusando-se a publicá-lo a menos que eu remova todas as partes críticas ao candidato presidencial democrata Joe Biden, o candidato veementemente apoiado por todos os editores do Intercept de Nova York envolvidos neste esforço de supressão”.

Ele continuou:

O artigo censurado, baseado em e-mails e depoimentos de testemunhas recentemente revelados, levantou questões críticas sobre a conduta de Biden. Não contentes em simplesmente impedir a publicação deste artigo no site que co-fundei, estes editores do Intercept também exigiram que eu deixasse de exercer um direito contratual separado de publicar este artigo em qualquer outra publicação.

O Intercept recusou-se a publicar um artigo de Greenwald que discutia o conteúdo do disco rígido supostamente deixado em uma loja de consertos de computadores em Delaware e abandonado por Hunter Biden, filho de Joe Biden.

Os arquivos documentam os negócios de Hunter Biden, que muitas vezes fazem referência a seu pai, direta ou indiretamente. Os arquivos também incluem fotos e vídeos pessoais comprometedores de Hunter Biden. A autenticidade dos arquivos não foi negada pela campanha de Biden.

Comentando a demissão de Greenwald, o jornalista Matt Taibbi escreveu: “O fato chave do episódio de Greenwald: o Intercept tomou sem críticas o discurso de John Brennan, Jim Clapper e Michael Hayden, e matou uma parte de seu fundador e ganhador do Pulitzer porque era crítico ao provável próximo presidente”.

Greenwald co-fundou o Intercept em 2013 para ajudar a divulgar informações ocultadas pela grande imprensa. Mas, segundo o relato de Greenwald, desde então o site mudou sua posição para se tornar parte do establishment político orbitando o Partido Democrata.

Greenwald escreveu em sua carta de demissão:

Quando deixei o Guardian no auge da divulgação dos arquivos do Snowden em 2013 para criar um novo meio de comunicação, não o fiz, desnecessário dizer, para impor a mim mesmo mais restrições e restrições à minha independência jornalística. Exatamente o oposto era verdadeiro: a inovação central pretendida pelo Intercept, acima de tudo, era criar um novo meio de comunicação onde todos os jornalistas talentosos e responsáveis desfrutariam do mesmo direito de liberdade editorial que eu sempre exigi para mim mesmo. Como eu disse ao ex-editor executivo do New York Times Bill Keller em um encontro de 2013 que tivemos no New York Times sobre minhas críticas ao jornalismo convencional e a ideia por trás do Intercept: “Os editores deveriam estar presentes para capacitar e permitir um jornalismo adversário forte, altamente factual e agressivo, não para bloquear, para castrar ou suprimir o jornalismo”.

Ele ainda fez uma acusação mordaz ao seu antigo empregador:

A atual geração do Intercept é completamente irreconhecível quando comparada com a original. Em vez de oferecer um espaço para a difusão vozes dissidentes e marginalizadas e perspectivas ignoradas, está rapidamente se tornando apenas mais um meio de comunicação com lealdades ideológicas e partidárias obrigatórias, uma gama rígida e estreita de pontos de vista permitidos (desde o liberalismo do establishment até o esquerdismo brando, mas sempre ancorado no apoio final ao Partido Democrata), um profundo medo de ofender o liberalismo cultural hegemônico e as personalidades de centro-esquerda do Twitter, e uma necessidade global de garantir a aprovação e a admiração dos principais meios de comunicação em relação aos quais o Intercept foi criado para se opor, criticar e subverter.

De fato, o Intercept nos últimos anos serviu como uma agência de propaganda para as falsas alegações dos Democratas de “intromissão russa” na eleição presidencial de 2016, que foram usadas para alegar que o editor do WikiLeaks Julian Assange participou de uma conspiração com o governo russo. Em 2018, o Intercept caluniou Assange, afirmando que ele falou “de maneira sexista” e expressou, de acordo com o título de um artigo, uma “preferência pelo Partido Republicano em relação a Clinton”.

Greenwald diz que pretende continuar publicando no Subtack, usado pelo repórter Matt Taibbi e outros jornalistas.

A resposta da editora-chefe do Intercept, Betsy Reed, foi ambígua e vingativa, alegando que o veterano jornalista era “uma pessoa adulta fazendo birra”.

Ela escreveu:

Glenn exige o direito absoluto de determinar o que vai publicar. Ele acredita que qualquer um que discorde dele é corrupto, e qualquer um que pretenda editar suas palavras é um censor. Assim, a acusação absurda de que os editores e repórteres do Intercept, com a única e nobre exceção de Glenn Greenwald, traíram nossa missão de se engajar em um jornalismo de investigação destemido.

Ao não contradizer a declaração de Greenwald de que o Intercept era contratualmente obrigado a não censurar seus artigos, o Intercept está implicitamente admitindo que é verdade o que aconteceu.

Greenwald é um dos jornalistas mais respeitados do mundo. Seu trabalho entrou na mira do presidente autocrático do Brasil, Jair Bolsonaro. Em janeiro, o Ministério Público Federal denunciou Greenwald por “conspiração criminosa”.

Os artigos de Greenwald de 2013, baseados em documentos vazados por Edward Snowden, ex-funcionário da Agência Nacional de Segurança (NSA), receberam o Prêmio Pulitzer. Ele desempenhou um papel fundamental ao iniciar a publicação das denúncias de Snowden sobre a ampla e inconstitucional espionagem realizada pela NSA sobre o público americano e mundial. O denunciante da NSA foi acusado sob a Lei de Espionagem, que pode leva-lo a enfrentar a pena de morte, por expor os atos criminosos do governo. Ele vive em exílio forçado na Rússia há mais de seis anos.

Enquanto Trump procurou repetidamente tirar vantagem política dos negócios de Hunter Biden, os Democratas afirmaram que qualquer avaliação crítica da questão é inadmissível, alegando que a história é “propaganda russa”.

“Sabemos que toda esta calúnia contra Joe Biden vem do Kremlin”, disse o presidente da Comissão de Inteligência da Câmara, Adam Schiff. “Isso está claro há mais de um ano agora com eles estão levando adiante essa falsa narrativa sobre o vice-presidente e seu filho”.

No mês passado, o Twitter e o Facebook bloquearam a compartilhamento de uma reportagem do New York Post sobre o conteúdo do laptop. Os usuários que tentaram tuitar o link receberam um aviso que dizia: “Não podemos completar este pedido porque este link foi identificado pelo Twitter ou por nossos parceiros como sendo potencialmente prejudicial”.

Qualquer pessoa que tentasse visualizar ou retuitar o link já compartilhado, recebia um aviso que dizia: “o link pode não ser seguro”.

 

Os autores também recomendam:

A denúncia contra Glenn Greenwald e a guerra global contra a liberdade de expressão
[24 Janeiro 2020]

Twitter and Facebook censor New York Post report on Hunter Biden
[17 Outubro 2020]